Família

Saúde. Há uma dor que nunca deve ser ignorada

Saúde

A nossa mão é uma obra de engenharia, mas com uma falha de design: os tendões que controlam os dedos passam através de um tubo estreito entre o polegar e o indicador chamado canal cárpico. O nervo mediano que controla todos os dedos, excepto o mindinho também é comprimido para esse canal estreito, portanto, qualquer inflamação ou inchaço coloca pressão sobre esse nervo vital. Por isso nunca deve ignorar uma dor na mão.

O síndroma do canal cárpico é das lesões que causa maior abstinência laboral, mas os médicos ainda não perceberam o que provoca este problema. Sabe-se que a artrite reumatóide e a diabetes aumentam o risco de sofrer este problema, assim como a gravidez.

De resto, em pessoas saudáveis parecem ser os esforços, os movimentos repetitivos que envolvem a constante flexão da mão que conduzem ao síndroma. Há profissões muito propícias a este problema. O site Everyday Health refere, por exemplo, as pessoas que trabalham em matadouros a retirar a carne dos ossos das carcaças dos animais. É do senso comum achar-se que os movimentos repetidos de baixo impacto como teclar ou usar o rato também provocam este problema, mas muitos especialistas discordam.

Qualquer que seja a causa, os sinais são claros: dor, dormência e fraqueza especialmente nos três maiores dedos e no polegar, que são controlados pelo nervo mediano. Estes sinais nunca devem ser ignorados, sob pena de ficar com a mão incapacitada em permanência.

Os primeiros tratamentos passam por usar uma mão elástica durante a noite. O gelo também pode ajudar. Se os sintomas não melhorarem no final de algumas semanas os médicos podem prescrever cortisona. A cirurgia é ponderada quando nenhuma destas medidas tem resultado.

Comentários

comentários

Acerca do autor

Rua3

Resumimos o que não pode deixar de saber sobre a actualidade, contamos as histórias por trás das pessoas que se cruzam connosco, mostramos-lhe o que pode fazer, ver e ouvir.

Comentar

Comente aqui

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *